Imagine o seguinte cenário: um diretor da empresa pede para a secretária schedular um brainstorm com o squad para agregar valor ao business plan por meio do know-how, estimulando o team building dos times cross-funcionais. Você compreendeu tudo? Não se preocupe, caso não tenha entendido!

Estrangeirismos à parte, os empresários buscam constantemente pelas melhores práticas para implementar nas suas empresas para se manterem competitivas e lucrativas. Os processos empresarias tornam-se cada vez mais complexos, assim como as demandas do mercado, fazendo com que as organizações estejam sempre atentas às novas formas de gestão.

Algumas empresas investem na holocracia, outras ainda estão implementando processos de gestão de pessoas. No post de hoje, falaremos sobre outra possibilidade, os squads: times cross-funcionais, uma tendência na organização de trabalho que você precisa conhecer agora mesmo. Confira!

Mas afinal, o que é squad?

Squad é um termo bastante conhecido e que ganhou visibilidade, pois é uma das formas como a Spotify, empresa sueca de streaming de música, organiza e estrutura seus times.

O squad é um time cross-funcional que possui autonomia para definir prioridades. Por mais que as pessoas tenham essa autonomia e um senso de auto-organização, elas têm os seus objetivos alinhados aos da empresa.

Nesse modelo de trabalho, não há uma figura de liderança formal; as lideranças são mais orgânicas, já que os times são auto-geridos, e baseiam-se em aspectos técnicos e funcionais do trabalho e de seus projetos.

Também não há uma divisão funcional constituída de papéis tradicionais, todos os envolvidos em determinado projeto trabalham conjuntamente e complementarmente, cocriando soluções.

Squads, normalmente, são formados com times de 3 a 10 membros e contam expertise suficiente para desenvolver todos os aspectos que envolvem um projeto, do início ao fim.

Assim, em times com essa configuração, não há mais equipe de marketing, de T.I., de finanças. As equipes são organizadas multidisciplinarmente, de acordo com as necessidades dos projetos da empresa.

E os times cross-funcionais?

Os times cross-funcionais estão cada vez mais presentes nas organizações que desejam contar com equipes de alta performance e se diferenciar da concorrência por meio de serviços, produtos e atendimento inovadores.

Para serem completos e entregarem os melhores resultados, os times são compostos em colaboração de profissionais com diferentes competências e perfis que atuem em diferentes atividades. Aqui não há espaço para frases como “eu fiz o meu trabalho” ou “a minha parte eu entreguei”. Todos trabalham juntos e colaboram para atingir um objetivo comum.

Esse tipo de organização é menos hierárquica e vertical do que as estruturas mais tradicionais. Além disso, a ideia é montar diferentes times que contem com uma grande variedade de expertise, que pode acabar ao término de cada projeto ou continuar para os futuros projetos da empresa.

Quais são as vantagens de adotar essa configuração em uma empresa?

Uma das principais vantagens de contar com squads é o impacto na comunicação, pois ela exige muito mais dedicação. Isso se deve ao fato de que pessoas de diferentes funções e formações precisam interagir e se fazer entender.

Convenhamos, via de regra, dois analistas de sistemas têm muito mais facilidade de interagir em seu trabalho do que um analista de sistemas e um analista de negócios, não é? Portanto, os times cross-funcionais tornam a comunicação da organização mais eficiente por meio do exercício constante e da empatia, o que favorece um clima organizacional positivo e produtivo.

Por meio de times cross-funcionais também ocorre a quebra de barreiras existentes entre os departamentos, garantindo maior integração e velocidade nos processos de tomada de decisão e burocráticos da empresa.

Quanto mais unido e sensibilizado em relação aos objetivos o squad for, maior será o benefício para a empresa e para a agilidade de seus processos.

Por isso, é interessante que as organizações invistam em atividades que tenham como objetivo o aumento da coesão do time, como passeios e dinâmicas entre os membros.

Você também pode criar comunidades de práticas para que os membros do squad possam compartilhar conhecimentos e experiências por intermédio de reuniões periódicas. Essas práticas são bastante proveitosas para os integrantes e também para a empresa, uma vez que aumentam os índices de produtividade e de motivação das equipes.

Empresas que implementam uma cultura ágil, precisam direcionar esforços para aprimorar a comunicação e a integração entre todos, por meio de treinamentos e do despertar da sensibilidade e da compreensão necessárias para processos que envolvam mudanças e evolução gradativa.

Há desvantagens em times cross-funcionais?

Uma das críticas ao modelo de squad diz respeito à autonomia, já que esse tipo de estrutura permite que os membros definam as prioridades; portanto, é preciso garantir que todos alinhem os seus objetivos aos da empresa de modo assertivo.

Além disso, dependendo da cultura organizacional, implantar a estrutura de squad com times cross-funcionais pode ser uma tarefa difícil, pois isso exigirá a (re)definição dos papéis dentro dos times e uma divisão de poder e horizontalização da organização.

Em toda transformação existe uma certa dificuldade de aceitação, ainda mais quando essa transformação envolve a cultura organizacional. Esteja bastante atento em relação à comunicação, pois ela passará a ser muito mais direta, eliminando parte da burocracia, o que pode causar algum estranhamento.

Outro aspecto que deve ser observado é que a resolução de problemas torna-se responsabilidade do time, por isso eles devem estar cientes e bem preparados para reavaliar seus hábitos de trabalho e assumir tal responsabilidade.

Essa estrutura exige adaptações dentro da empresa, como programas de desenvolvimento de liderança, gestão de desempenho e novos aprendizados. Assim, a integração da cultura de squads será muito mais tranquila.

Os times cross-funcionais são compostos por pessoas de diferentes áreas que trabalham juntas de forma complementar e determinam as prioridades e aceleraram a tomada de decisões, tendo em vista um único objetivo em comum.

E você, o que achou dos squads de times cross-funcionais? Acredita que a sua empresa poderia implementar essa nova metodologia de governança organizacional com sucesso? Ficou com alguma dúvida? Participe dessa discussão, deixe sua mensagem nos comentários!

Squad: times cross-funcionais nas organizações
Classificado como:        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *